Presidente da Câmara de Brasiléia é presa em Cobija

A tarde desta segunda-feira (05) a vereadora Arlete Amaral,  atual presidente da Câmara Municipal de Brasiléia, município do Alto Acre foi retida na cidade de Cobija, capital de Pando, e temporalmente impedida de voltar para o Brasil.

A acusação das autoridades bolivianas contra a vereadora brasileira é de violação do decreto do governo de Pando que fecha por tres horas as fronteiras com o Brasil por causa da pandemia do coronavirus.

A retenção da vereadora foi comunicada às autoridades brasileiras no início da noite desta segunda-feira ()5) pela também vereadora Marinete Mesquita, do PT. De acordo com a parlamentar, ela cruzaria a ponte internacional entre Epitaciolândia e Cobija em busca de informações em relação à colega, mesmo sob o risco de também ser detida pelas autoridades bolivianas.

Arlete Amaral teria ido à Cobija hoje à tarde mesmo sabendo do decreto de fechamento das fronteiras com o Brasil para tratar de assuntos particulares. Ela deve ter ido fazer compra. Se fosse para tratar de assuntos institucionais sobre a fronteira, ela não teria ido sozinha, disse um ex-vereador de Brasiléia, que acompanha a situação na fronteira.

Após uma longa conversa e os ânimos acalmarem, a Presidente do Poder Legislativo de Brasiléia e os demais foram liberados e voltaram para o Brasil.

Compartir